30.3.08

Cat Power



Cat Power, «Sea of Love», banda sonora «Juno».
Esperamos por ela, em Lisboa, no mês de Maio.

28.3.08

Ana Luísa II

Hoje, sábado e domingo, 30 de Março, há teatro na Biblioteca Municipal Florbela Espanca, em Matosinhos. Trata-se do espectáculo «O olhar diagonal das coisas», com direcção de Nuno Carinhas, a partir da poesia de Ana Luísa Amaral. Em cena, às 21h 30.

Mulheres nos Jogos Olímpicos

Realiza-se amanhã, dia 29 de Março, na sede do Comité Olímpico de Portugal, em Lisboa, o forum «As Atletas Portuguesas e os Jogos Olímpicos». A não perder, a partir das 10h15, na Travessa da Memória, 36 (à Ajuda).
PROGRAMA

10.15h Sessão de Abertura
Elza Pais, Presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género.
Vicente de Moura. Presidente do Comité Olímpico de Portugal.
Paula Botelho Gomes. Presidente da Associação Portuguesa Mulheres e Desporto.

10h30 - 1º Painel
Celeste Gil, Vogal da Comissão Executiva do Comité Olímpico de Portugal.
Fe Robles, Directora da Comissão Mulher e Desporto, Comité Olímpico Espanhol.
Moderadora: Isabel Cruz.

11h30 - 2º Painel
Esbela da Fonseca, Atleta e juíza olímpica (Ginástica Artística).
Sílvia Cruz, Atleta apurada para Pequim (Atletismo).
Fernando Mota, Presidente da Federação Portuguesa de Atletismo.
Moderadora: Paula Silva.


14h30 - 3º Painel
Cristina Almeida, Socióloga, Instituto do Desporto de Portugal.
Salomé Marivoet, Socióloga, F. C. D. E. F., U.C; Conselho Nacional do Desporto.
Miguel Tiago, Vice-Presidente da Comissão Parlamentar de Educação e Ciência.
Moderador: José Manuel Constantino.

16h00 - 4º Painel
Susana Feitor, Atleta olímpica (Atletismo).
Leila Marques, Atleta paralímpica (Natação).
Filipa Cavalleri, Atleta olímpica (Judo).
Venceslau Fernandes, Pai da atleta olímpica Vanessa Fernandes (Triatlo).
Moderadora: Maria José Carvalho.

27.3.08

Teatro hoje

No dia mundial do teatro a cidade das mulheres recomenda que se vá ao teatro! Em muitas das salas a entrada é gratuita. Assim acontece no Teatro Nacional D.Maria II, onde há quatro peças à escolha: «Fungagá MP3», «A noite árabe», «A gorda» e «Óscar e a Sra. Cor-de-rosa».

«O que é o teatro?» intitula a exposição que inaugura simultaneamente em todo o país, numa inciativa que se estende a 2000 locais, segundo o JN, que falou com Maria João Brilhante, a comissária científica desta iniciativa do Ministério da Cultura.


A fotografia acima mostra o espectáculo no Teatro Taborda, em Julho de 2006, dos alunos finalistas do 3ºano do Curso de Teatro da Escola Superior de Teatro e Cinema, «Na Colónia Penal», um conto de Franz Kafka, encenação de José Jorge Duarte, interpretação de Henrique Martins, Joana Barrios, Laura Barbeiro, Simon Frankel, Sofia Ribeiro, cenografia e figurinos de Edgar Neves e Pilar Valadares, produção de Andreia Carneiro, grafismo e vídeo de Bruno Cardoso e Pilar Valadares,

26.3.08

Feminista.



Feminist Majority Foundation

Pescadoras

O Museu de Arqueologia e Etnografia do Distrito de Setúbal realiza no próximo sábado, dia 29 de Março, pelas 17h30 a conferência «Mulheres Pescadoras da Carrasqueira» por Cristina Moço (Directora do Departamento de Acção Social e Cooperativa da Mútua dos Pescadores) e Fátima Ricardo (Pescadora da Carrasqueira).
A conferência abordará as seguintes temáticas: Sustentabilidade económica, social e ambiental do sector das pescas; Comunidades ribeirinhas, e valorização da cultura marítimo-fluvial; Pesca no Feminino; O papel das mulheres na gestão e exploração dos recursos marinhos. A não perder, na Avenida Luísa Todi, nº162.

24.3.08

O pensamento de Maria Lamas em livro


As Edições Colibri e o Movimento Democrático de Mulheres vão lançar o livro «A Memória, a Obra e o Pensamento de Maria Lamas» na próxima quinta-feira, dia 27 de Março, em Lisboa. A apresentação será feita por Regina Marques e Dulce Rebelo, às 18.00 horas, na Sala do Arquivo, Paços do Concelho, na Praça do Município.

21.3.08

A face desconhecida de Júlio Dinis

O grupo de investigação Faces de Eva vai realizar uma sessão cultural na próxima quarta-feira, dia 26 de Março às 18 horas, no Auditório 1, na FCSH/UNL (Av.Berna, 26 C, Torre B- 1.º Andar). «A outra face de Júlio Dinis: Diana de Aveleda e as cartas literárias» reflecte o resultado das pesquisas da investigadora Ana Rita Padeira, actualmente docente na Universidade Aberta. Foi no decurso da sua pesquisa de doutoramento em torno de Júlio Dinis, que encontrou o pseudónimo, desta feita feminino - Diana Aveleda. O que terá levado um autor consagrado a usar na sua escrita o nome de uma mulher ?

20.3.08

Equinócio

«Primavera»

É Primavera agora, meu Amor!
O campo despe a veste de estamenha;
Não há árvore nenhuma que não tenha
O coração aberto, todo em flor!

Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor
Da vida... não há bem que nos não venha
Dum mal que o nosso orgulho em vão desdenha!
Não há bem que não possa ser melhor!

Também despi meu triste burel pardo,
E agora cheiro a rosmaninho e a nardo
E ando agora tonta, à tua espera...

Pus rosas cor-de-rosa em meus cabelos...
Parecem um rosal! Vem desprendê-los!
Meu Amor, meu Amor, é Primavera!...

Florbela Espanca

19.3.08

O fado de Aldina

Aldina Duarte canta hoje na Casa Fernando Pessoa, em Campo d'Ourique, Lisboa, pelas 21h30, numa comemoração, no âmbito do Dia Mundial da Poesia, ali levada a cabo já com a actual direcção da escritora Inês Pedrosa. A partir das 18h30, poetas lêem poetas: Eduarda Chiotte, Gastão Cruz, Maria do Rosário Pedreira, e Nuno Júdice. A partir de amanhã, no Jardim da Parada há feira do livro de poesia, que inaugurará às 16h, mas diariamente estará a funcionar entre as dez da manhã e as oito da noite.

«Conversas no tanque»

No âmbito do Congresso Feminista 2008 (a realizar-se em Lisboa nos dias 26, 27 e 28), o Chapitô e a UMAR estão a promover debates mensais temáticos designados por Conversas no Tanque por se realizarem num espaço do Chapitô que tem um ... tanque. A primeira destas conversas com o tema «Mulheres e Artes» realiza-se HOJE, em Lisboa, no Chapitô, na Costa do Castelo 1/7.

4ª feira – 19 de Março – 21h

Mulheres e Artes

com a participação de Eduarda Dionísio, Isabel Ruth, Sílvia Chico, Sofia Areal e moderação de Maria Antónia Fiadeiro

As iniciativas seguintes terão lugar a 23 de Abril (Mulheres e Lideranças); 21 de Maio (Direitos Humanos e Igualdades); e 18 de Junho (Feminismos e Controvérsias).

14.3.08

Traje em ano de diálogo intercultural


«O traje como meio de comunicação intercultural» intitula a exposição que inaugura sábado, dia 15 de Março, no Museu Nacional do Traje, integrada no Projecto «Museu, Espelho Meu» uma parceria entre o ACIDI e o IMC no âmbito do Ano Europeu Do Diálogo Intercultural, patente ao público final de 2008.
A mostra engloba peças representativas do vestuário tradicional de Portugal, China, Japão, Índia, Timor, Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, Brasil e ainda do movimento hippie que, nos Anos 60 e 70 do século XX, elegeu peças de vestuário étnico para manifestar o seu repúdio pela prepotência economicista e bélica do mundo ocidental.

faísca





Filipe Faísca Outono/Inverno 08/09.



Arquivo Modalisboa/ Fotografia de Rui Vasco.

igualdade e cidadania

É lançado no próximo dia 18, em Lisboa, na CIG, pelas 17h30, o livro «Género e cidadania nas imagens de história» de Teresa Alvarez, com apresentação de Teresa Joaquim e Ângela Rodrigues.

13.3.08

jóias com cor(oa)


Hoje pelas 19h30 é inaugurada a exposição «Jóias reais - joalharia contemporânea luso-brasileira» no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro. Esta mostra insere-se nas comemorações dos 200 anos da chegada de D.João VI e da família real ao Brasil. Tendo como curadoras Cristina Filipe (Portugal) e Lúcia Abdenur (Brasil), a exposição apresenta segundo pares - um nome português, e um brasileiro - peças inspiradas em jóias de época, com abordagens e linguagens contemporâneas. No Rio de Janeiro até 18 de Maio, «Jóias Reais» chegará depois a Portugal.

pedro





Pedro Pedro Outono/Inverno 08/09.



Arquivo Modalisboa/ Fotografia de Rui Vasco.



12.3.08

dourado




Ricardo Dourado Outono/Inverno 2008/09.



Arquivo Modalisboa. Fotografia de Rui Vasco.

dino




Dino Alves Outono/Inverno 2008/09.


Arquivo Modalisboa/ Fotografia de Rui Vasco.

10.3.08

O estigma da transparência

Decorre hoje às 19h00 na livraria Byblos, mais uma sessão «As palavras têm género?» dedicada à semana do dia internacional da mulher (no sábado passado). A convidada hoje é Maria João Cabrita que apresentará «Simone de Beauvoir: o estigma da transparência».
O centenário do nascimento de Simone de Beauvoir (9 Janeiro de 1908) motiva esta revisitação ao seu percurso bio-bibliográfico: «um trajecto construído à imagem do existencialismo, em ruptura com os padrões sociais e morais coevos e que reflecte, sobretudo, o fardo da responsabilidade.» Maria João Cabrita é doutorada em História das Ideias Políticas (FCSH/UNL) e membro do Seminário Livre de História das Ideias e do Centro de História da Cultura. Entre outros ensaios, publicou «Com os olhos postos no mundo: a vigília de Susan Sontag (1933-2004)» (in Faces de Eva, nº 14, 2005, pp. 21-39), «A Ideia de Justiça em Antero de Quental» (Íman, 2002) e «Hannah Arendt: O Mundo da Pluralidade e a Banalidade do Mal» (in Faces de Eva, nº6, 2001, pp. 27-40).

Rota histórica

A Rota dos Feminismos vai ficar para a história. Os ecos que chegam à cidade das mulheres relatam como esta volta a Portugal em três dias foi bem sucedida. Para já, este video mostra a passagem por Coimbra, naquele dia 8 de Março, em que manifestação era a palavra de ordem: 100 mil professores em Lisboa, na rua, é um número muito impressivo, e deve querer dizer qualquer coisa, pelo menos que não há diálogo entre o ministério da educação e os professores. Claro, isto só para abreviar. Mas da rota, a caminho do Congresso Feminista 2008 - a 26, 27 e 28 de Junho próximo - ficam as imagens e um relato de bordo em Cusquices de gajas.

9.3.08

modalisboa - dia IV



A 30ª edição da Modalisboa termina hoje no casino estoril. O dia começa com o filme da fotógrafa Annie Leibovitz, «Life through a lens», e termina com o «Cascais moda». Durante a semana a cidade das mulheres irá seleccionar algumas das colecções desta maratona de moda, onde estão presentes 21 criadores, com etiquetas individuais ou colectivas.

8.3.08

modalisboa - dia III



As mulheres da modalisboa hoje são Ana Salazar, e Lidija Kolovrat (17h00). O dia de desfiles desta passerelle montada nesta 30ªedição, no Casino Estoril, começa entretanto às 14h00 com José António Tenente, «Add-Up» de Osvaldo Martins, Aleksandar Protich, Pedro Mourão, Luís Buchinho e Miguel Vieira (22h30). A sessão de cinema no auditório do casino, com entrada livre, é dedicada ao filme «Lagerfeld Confidential».

dia internacional da mulher

Hoje as acções são muitas: as professoras e professores estão numa manifestação que vai ficar para a história. Não são contra a avaliação dos professores, são é contra a política de avaliação.

«Nem mais uma!» é uma acção da Marcha Mundial das Mulheres (coordenação portuguesa) com vista a consciencializar a população para a dimensão da violência doméstica em Portugal. Serão distribuídos folhetos e braçadeiras em Lisboa, entre as 14 e as 17h, no cruzamento Rua 1º de Dezembro com a Rua do Carmo, e em Coimbra , pelas 14h, numa arruada inserida na Rota dos Feminismos, com partida na Igreja de Sta. Cruz e chegada na ponte Pedro e Inês.
A Rota dos Feminismos, uma iniciativa do Congresso Feminista 2008, prossegue entretanto a sua volta a Portugal: Vouzela, Viseu, Coimbra, Santarém, Évora.
«Na política as mulheres são capazes» é um livro com uma nova edição lançado esta manhã no Palácio Foz, pela CIG (Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género), seguido de um painel de oradoras sobre «as mulheres e a tomada de decisão política», com moderação de Elza Pais.
A Amnistia Internacional, o Grupo Local 3 - Paço de Arcos apresentam às 17h00
«As Mulheres do Darfur», na Biblioteca Operária Oeirense, uma exposição de fotografia, e sessão vídeo sobre o Darfur, com a participação também do Cramol, e do Grupo Coral Nova Esperança da Comunidade Terraços da Ponte.
«As palavras têm género? » dá o título à iniciativa da livraria Byblos, em Lisboa, que concebeu uma semana Temática à volta do Dia Internacional da Mulher: hoje, pelas 16h00, Contos Contados - Homenagem a Maria Keil, A Árvore que dava Olhos» - João Paulo Cotrim (texto), Maria Keil (ilustrações); 18h30 - Debate «As palavras têm género?» por Lídia Jorge e Francisco José Viegas, moderação de Isabel Lucas.
Hoje ainda, pelas 19h30, a Associação Portuguesa de Mulheres Juristas (APMJ) vai realizar um jantar de festa e comemoração dos seus 20 anos, com actuação do Grupo Coral Feminino «Cantares do Xarrama». Em 1988 um pequeno grupo de Mulheres Juristas decidiu conjugar os seus esforços e vontades para criar uma Associação que lutasse pelos Direitos Humanos das Mulheres.
No contexto desta semana temática sobre as mulheres, ontem, na livraria da Assembleia da República, a Associação Abril, lançou a obra Uma flor por Maria de Lourdes Pintasilgo, em homenagem à nossa única primeira-ministra, e também candidata à Presidência da República.
Mulheres que escrevem, mulheres que lêem é ainda o livro que vai ser lançado dia 14, 18h30, pela 101 noites (Fnac do Chiado).

7.3.08

«Nem mais uma!»

A Marcha Mundial das Mulheres desenvolve actualmente uma Campanha de sensibilização contra a violência exercida sobre as mulheres, cuja palavra de ordem é esta: “Nem mais uma!”
A 8 de Março – Dia Internacional da Mulher – sairemos à rua para gritar “NEM MAIS UMA!”, distribuiremos folhetos e braçadeiras, com vista a consciencializar a população para a dimensão da violência doméstica em Portugal. Esta acção irá realizar-se simultaneamente em Lisboa (14-17h: cruzamento rua 1º de Dezembro com rua do Carmo) e em Coimbra (14h: arruada inserida na Rota dos Feminismos, com partida na Igreja de Sta. Cruz e chegada na ponte Pedro e Inês).
Com esta campanha procuramos reafirmar a nossa solidariedade com as mulheres portuguesas, e as mulheres de todo o mundo, que continuam a sofrer todo o tipo de violência – assédio sexual, violência doméstica, violação, tráfico, mutilação genital feminina, etc. – e vêem os seus direitos fundamentais recorrentemente atropelados.

Com esta campanha procuramos denunciar a ineficácia do sistema jurídico, a insuficiência de recursos e a consequente desprotecção daquelas que fogem das suas próprias casas, como única forma de escapar à violência dos seus parceiros.

Não podemos mais silenciar ou tolerar esta situação no nosso país. Exigimos que personalidades com visibilidade e responsabilidade política tenham intervenções no sentido de reforçar os direitos das mulheres e de sensibilizar a sociedade portuguesa para a violência contra as mulheres em geral e contra a violência doméstica em particular.

Exigimos que se tomem medidas concretas para uma efectiva segurança das mulheres, e suas crianças, vítimas de violência doméstica. Exigimos uma avaliação do impacto das alterações aos Códigos Penal e Processual que retiraram às polícias e ao Ministério Público o seu papel contentor do agressor, desprotegendo mulheres e crianças.

Exigimos que as mulheres vítimas de violência doméstica deixem de ser refugiadas no seu próprio país. Sair de casa, abandonar emprego e escola, abandonar as suas comunidades e cortar os laços afectivos não pode ser a única forma de proteger as vítimas do agressor.

Apelamos a que usem, sempre que uma mulher for assassinada pelo seu (ex-) parceiro, a braçadeira concebida pela Marcha Mundial de Mulheres durante um dia, em sinal de denúncia pública. Porque a violência contra as mulheres é uma forma de opressão grave, com sérias repercussões para toda a sociedade, queremos pôr fim a isto!

No passado dia 22 de Fevereiro – Dia Europeu da Vítima – a Marcha Mundial de Mulheres enviou uma carta ao Presidente da República, ao Primeiro Ministro, ao Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, à Presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, ao Procurador-Geral da República e aos grupos parlamentares apelando-as/os a usar da sua visibilidade política e mediática para sensibilizar a sociedade portuguesa para a violência contra as mulheres em geral, em particular a violência doméstica.

(Comunicado de imprensa da Coordenação Portuguesa da Marcha Mundial das Mulheres)
Associação ILGA-Portugal
E-mail:
ilga-portugal@ilga.org; Website: www.ilga-portugal.pt;
AJP – Acção para a Justiça e Paz
E-mail: ajp@ajpaz.org.pt; Website: ww.ajpaz.org.pt
AMCV – Associação de Mulheres Contra a Violência
E-mail:
sede@amcv.org.pt; Website: www.amcv.org.pt
UMAR – União Mulheres Alternativa e Resposta
E-mail:
umar.sede@sapo.pt; Website: www.umarfeminismos.org


modalisboa - dia II


As mulheres do dia II da ModaLisboa Outono/Inverno 08/09 são Katty Xiomara (19h00) e Alexandra Moura (21h00) - Casino Estoril, sala de desfiles. Às 21h30, o filme Frankie (França, 2006), de Fabienne Berthaud, no Auditório, sessão aberta ao público.
Quanto ao dia de ontem foi dominado pelos quatro cavaleiros do apocalipse da moda Dino Alves (excelente Dino!, sempre criando dentro de uma memória colectiva e de acordo com uma direcção muito pessoal no trabalho da costura e do estilismo, para homem e para mulher), Ricardo Dourado (o promissor designer de Cabeceiras de Basto, excelente no trabalho da forma, muito modelar nesta colecção de mulher, desconstruindo a ideia de «uniforme colegial», com muitas e renovadas camisas brancas e novas abordagens ao padrão xadrez), Pedro Pedro (um óptimo trabalho a solo - depois da dupla Pedro Waterland -, muito casual e modernista, com peças quentinhas e muito apetecíveis, denotando um grande trabalho de golas, em blusões e casacos, com reminiscências nos Sessentas, e com muitos abafos e gorros, para além de umas botas muito altas que cairam nas boas graças «in the house»), e Filipe Faísca (uma colecção de mulher, com aposta na convergência masculino-feminino, mas com um atenção especial à coqueteria anos 60 e à silhueta hippie dos 70). Esta edição da Modalisboa tem cenografia do atelier P-06.

6.3.08

«Rota dos feminismos»

A Rota dos Feminismos, uma iniciativa do Congresso Feminista 2008, vai partir sexta-feira, dia 7, percorrendo Portugal até dia 9 de Março. Inscreva-se! Ou vá ao encontro da Rota!

Dia 7 de Março
Porto (Praça junto aos correios)
Melgaço (Câmara Municipal)
Caminha (Largo Pêro Vaz de Caminha)
Viana do Castelo (Praça da República)
Braga (Biblioteca da Universidade do Minho)
Famalicão (Central de camionagem)
Porto (Pç. D.João I)

Dia 8 de Março
Porto (Praça junto aos correios)
Vouzela

Viseu
Coimbra (Parque verde)
Santarém (Praça do municipio)
Évora


Dia 9 de Março
Beja
Serpa (Centro de formação da rota do Guadiana)
S. brás de alportel
Setúbal

30 razões para acompanhar a modalisboa


Começa hoje a Modalisboa, o calendário de desfiles por excelência da moda portuguesa. A Cidade das Mulheres vai lá estar - no Casino Estoril - e ao longo da próxima semana aqui dará do que mais a motivou. Para já, são 30 as razões para se continuar cúmplice da moda de autor feita em Portugal:

Quinta, 6 de Março, a partir das 18h30, o filme Portugal OFFashion, com conceito da artista plástica Joana Vasconcelos e realização de Joana da Cunha Ferreira e Cláudia Varejão;

19h00 - Dino Alves
20h00 - Ricardo Dourado

21h00 - Pedro Pedro
22h30 - Filipe Faísca


Sexta, 7 de Março
19h00 - Katty Xiomara
20h00 - Ricardo Preto
21h00 - Alexandra Moura
21h30 - «Frankie» (França, 2006), de Fabienne Berthaud

22h30 - Alves / Gonçalves


Sábado, 8, Dia Internacional da Mulher

14h00 - José António Tenente
15h00 - «Add. Up», de Osvaldo Martins
16h00 - Aleksandar Protich
17h00 - Lidija Kolovrat
18h00 - Ana Salazar
19h00 - Pedro Mourão
20h00 - «Lagerfeld Confidential», Rodolphe Marconi

21h30 - Luís Buchinho
22h30 - Miguel Vieira


Domingo, 9 de Março
15h30 - Nuno Gama
16h30 - Nuno Baltazar
17h30 - «White Tent»
18h00 - Lara Torres
18h30 - «AForest»

3.3.08

In memoriam Maria Gabriela Llansol


«O texto é a única forma de identificar o sexo e a humanidade de alguém porque, ó poeta estranho, o sexo de alguém, é a sua narrativa. A sua, ou a que o texto conta, no seu lugar. Assim o sexo será como for o lugar do texto.

Quando se deseja alguém, como tu desejas Infausta, e ela deseja Johann, é o seu lugar cénico que se deseja, os gestos do texto que descreve no espaço e chamar-lhe precioso companheiro; de mim, direi que fui uma vez enviado, trouxeste a frase que nunca antes leras, o meu corpo a disse, e não reparaste que ficaste com ela escrita.»

Maria Gabriela Llansol (1931-2008), Lisboaleipzig 2 (1994).

Na foto, uma das suas últimas obras, Amigo e Amiga - curso de silêncio de 2004, publicada pela Assírio & Alvim (Lisboa, 2006).