28.2.09

Maria Malibran

Marco Beghelli (Università de Bologna) foi um dos oradores do programa de hoje sobre estudos de ópera, textos e cantores, realizado pelo Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM), na Universidade Nova de Lisboa: “Maria Malibran e la voce di contralto nell’Ottocento”.
Palau de la Musica, Barcelona, Cecilia Bartoli e La Scintilla Orchestra, em homenagem a Maria Malibran.

26.2.09

Conferências de género

Mais dois acontecimentos internacionais vão decorrer em Março e Abril na área de Investigação dos Estudos sobre as Mulheres/Estudos de Género. O primeiro é em Londres: a 7ª Conferência Internacional da Gender and Education Association, que terá como tema central: «Gender: Regulation and Resistence in Education» e que terá lugar entre 25 e 27 Março no Institute of Education da University of London, cuja Faculdade de Política e Sociedade também participa na organização.

O segundo evento é no Chipre: «Gender at the crossroads - a Third International Conference on Women’s Studies» entre 20 e 22 de Abril no Campus da Eastern Mediterranean University, na cidade de Famagusta, Norte do Chipre. A organização é do Centro sobre Estudos das Mulheres da mesma Universidade. Esta Conferência internacional tem praticamente presenças dos cinco Continentes. Portugal estará representado por quatro conferencistas.

25.2.09

ambiente de moda


... está a decorrer a semana da moda de Milão, depois de Nova Iorque e de Londres; a de Paris começa para a semana, a cinco de Março, e irá até 12, data em que se inicia a ModaLisboa / Estoril, com o desfile de José António Tenente, pelas 19h, na Cidadela de Cascais.
(Foto de Carlos Desirat, colecção Verão 93 JAT, com Rita Dias)

Congresso sobre Género

Mesmo aqui ao lado, em Espanha, vai realizar-se proximamente o Congresso Interdisciplinar sobre Género, entre 17 a 20 de Março, na Univerisidade de Cadiz. Inspirado na comemoração dos 140 anos de publicação do texto « The Subjection of Women» do filósofo John Stuart Mill, o congresso é entrada livre (contudo, a data dos Call for Papers já expirou a 16).
Publicado na revista americana «New Yorker», eis um texto sobre as ideias igualitárias de Mill.

24.2.09

A primeira...



...rainha reinante de Portugal: D.Maria I subiu ao trono a 24 de Fevereiro de 1777.
Tivémos em Portugal apenas duas rainhas reinantes: D.Maria I e D.Maria II. As restantes rainhas foram-no na qualidade de esposas (consortes) de reis, ou então desempenharam a qualidade de regentes, durante a menoridade dos seus filhos e herdeiros do trono. D.Maria I foi esposa de D.Pedro III.
Excelente governante na área económica e cultural, D.Maria I libertou presos políticos, pagou salários, criou a lotaria, a Biblioteca Nacional, a Academia das Ciências de Lisboa e a Casa Pia. Reza a história que a morte do marido seguida da morte do filho herdeiro a deixaram mentalmente debilitada.
Filha do rei D.José I e de Dona Mariana Vitória de Bourbon, D. Maria I nasceu em Lisboa, a 17 de Dezembro de 1734, e faleceu no Rio de Janeiro, a 20 de Março de 1816, estando sepultada na Basílica da Estrela, em Lisboa, cuja edificação se deve também a ela.

23.2.09

super-karnart-heróis-e-heroínas


óscares no carnaval

No mundo dos óscares, a Kate Winslet está de parabéns pelo seu desempenho em «The reader», como actriz principal, um filme de Anthony Minghella, Sydney Pollack, Donna Gigliotti e Redmond Morris. A Penelope Cruz também, pela representação em «Vicky Cristina Barcelona», de Woody Allen, como actriz secundária. Igualmente o Sean Penn, actor principal em «Milk», de Gus Van Sant, assim como o autor de Melhor Argumento Original, Dustin Lance Black.
Megan Mylan, autora do documentário de curta-metragem, ganhou o oscar por «Smile Pinki», sobre uma menina na Índia rural. E o oscar de melhor guarda-roupa foi para Michael O'Connor - mais uma razão para ver «The Duchess». Postumamente, foi atribuído o oscar de melhor actor secundário a Heath Ledger, pelo desempenho em «The Dark Knight».

E por falar em joker, e porque 'a vida são dois dias e o carnaval três', escolham a máscara que vos apetecer. E dancem: 'feet can't fail me now', como tocava uma certa banda de jazz de new orleans, que passou por lisboa nos idos de Noventa...

22.2.09

Moda... e cinema


Enquanto prossegue até dia 24 a semana da moda em Londres, em Los Angeles o Kodak Theater vai receber esta noite os filmes, realizadores, actrizes e actores favoritos de Hollywood. Mas o filme mais favorito de todos aqui na cidade das mulheres parece que não está nomeado: «Revolutionary road», de Sam Mendes, com Kate Winslet e Leonardo di Caprio, entre outros. Por isso, aqui o Oscar vai para esta «revolutionary road». A passadeira vermelha está desenrolada. Boa noite dos Óscares.
(Na foto: Greta Garbo, em «Ninotchka», de Ernst Lubitsch, 1939)

21.2.09

carnaval sem krise


Chiquinha Gonzaga (Francisca Edwiges Neves Gonzaga) foi compositora e pianista. Em 1899 compôs Abre Alas, enorme sucesso de todos os Carnavais. Como feminista que era defendeu os direitos autorais dos compositores musicais, integrando em 1917 a Fundação da Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, sendo a única mulher entre 21 homens. Morreu a 28 de Fevereiro de 1935, e reza a história que deixou o marido e os filhos para seguir a música.
[in Agenda Feminista 2009, coordenação Luísa Boleo, ed. Umar).

20.2.09

Gisberta

O Debate «Lembrando Gisberta: Identidade de Género e Cidadania» vai acontecer amanhã, pelas 15h30, no Clube Literário do Porto, na rua Nova da Alfândega, n.º 22, com organização do Grupo de Reflexão e Intervenção do Porto (GRIP).


«Em Fevereiro de 2006, Gisberta Salce Júnior foi encontrada morta numa obra abandonada no coração do Porto. Era mulher, transsexual, e excluída. Foi insultada, humilhada, agredida e violentada ao longo de vários dias, e finalmente atirada para um poço onde morreu afogada. Os responsáveis foram um grupo de 14 adolescentes entre os 12 e 16 anos de idade. A maioria deles estava ao cuidado da mesma instituição de acolhimento de menores tutelada pela Igreja Católica. Exposto o caso, os responsáveis pela morte de Gisberta foram julgados no Tribunal de Família do Porto. A sentença considerou que ela não tinha sido vítima de homicídio (...). Gisberta nunca foi reconhecida como mulher pelo Estado português, e foi essa mesma falta de reconhecimento que não a deixou ser cidadã. A sua morte bárbara foi o ponto final que pôs a descoberto a exclusão sobre a qual foi forçada a construir toda a sua vida. Três anos depois, nada mudou: o estado português continua a recusar-se a reconhecer a identidade e cidadania das pessoas transsexuais, e nenhum partido apresentou qualquer proposta de Lei de Identidade de Género. »
O debate contará com a presença de Nuno Carneiro (psicólogo, investigador, activista LGBT independente), João Tavares (interno de psiquiatria do Hospital de Júlio de Matos), Ricardo F. Diogo (advogado estagiário), Luísa Reis (GRIP), com moderação de Salomé Coelho (doutoranda em Estudos Feministas).

Alta cena acolhe «Refugiacto»

O altaCena, Grupo de Teatro da Guilherme Cossoul, vai promover amanhã, 21 de Fevereiro, pelas 23h, uma tertúlia sobre o RefugiActo, depois da ante-estreia do espectáculo "Um Lugarzinho no Céu".
O Refugiacto - grupo de teatro de refugiados - integra-se assim no trabalho de acolhimento de refugiados em Portugal. Na tertúlia estarão presentes Isabel Galvão (Conselho Português para os Refugiados), Miguel Castro Caldas (dramaturgo), Sofia Cabrita (encenadora), Maria Cristina Santinho (Antropóloga) e Valentina Naumyuk (actriz do RefugiActo), com moderação pelo jornalista Nuno Ramos de Almeida.
História da peça
Fidélio, o Toxicodependente, Casimiro, o Jornalista, Mirov, o Ucraniano e Anunciada, empregada doméstica. O que é que os une naquela zona onde ninguém passa, onde ninguém vive? Será a tragédia que se avizinha?
Ficha Técnica e Artística
Texto: Joaquim Paulo Nogueira
Encenação: Joaquim Paulo Nogueira, Joana Lobo (Assistente de encenação /Dinâmicas de corpo e voz)
Actores: Ana Gil, Filipe Luz, Miguel Santos, Rui Pereira e José Carlos Pontes (Músico)
Música original: José Carlos Pontes
Espaço sonoro: Hugo Guerreiro
Espaço cénico e figurinos: Isabel Câmara Pestana
Graffitis: Marco Almeida
Iluminação: Marinel Matos
Operação de Som: Dina Marques
Operação de Luz: Carlos Casimiro
Direcção de Produção: Élio Luís
Site: Rui Pereira
Tradução do telefonema de Mirov: Valentina Naumyuk do Grupo RefugiActo
Fotografia: David Marçal e Daniel Lobo Antunes
Produção: AltaCena
Ideia original: Joaquim Paulo Nogueira, José Boavida e Pedro Alpiarça

UM LUGARZINHO NO CÉU
Fevereiro: 20, 21 (Ante-estreias), 27 (Semana Teatro Ibérico)
Estreia a 6 Março
Duração: 1h30
Classificação etária: M12
Sociedade de Instrução Guilherme Cossoul
Av. D. Carlos I, 61 -1º LISBOA
TELF: 21 397 34 71

19.2.09

A vida são dois dias e o carnaval três

Antes deste mergulhar no carnaval e no mundo da fantasia vestindo uma máscara de superherói, ou superheroína - também a este nível, invoque-se a paridade! - quero sugerir um lançamento de poesia, pela Portugália Editora, em Lisboa: hoje pelas 18h30, na Buchholz Chiado, será lançado o livro «Mergulho» de Rui Machado (filósofo, poeta, professor), no Largo Rafael Bordalo Pinheiro, 30, que contará com apresentação da escritora Filomena Marona.

17.2.09

George

Pois que ao sabor do vento gira o vosso moinho,
Ide, ide, ó humanos, onde vos leva o vento;
Na humana comédia actuai com talento,
Que eu por mim não vos sigo no vosso caminho.

Não acrediteis, porém, que actuando sózinho,
Vos guardo azedume ou ressentimento,
Se velho me tornaste prematuramente,
Poucos de vós são bons - inda menos mesquinhos.

Vivamos nós à sombra, ó minha bela amada,
Que entre nós o amor jamais tenha idade,
Que de nós digam, à nossa partida,

El's jamais conheceram desejo ou receio,
Eis o verde jardim, onde ambos em vida
Se sorriram, conversando em sereno enleio.

À águia que está à porta do castelo de Nohant

Alfred de Musset a Georges Sand, Agosto de 1833 (in Alfred de Musset e Georges Sand, Cartas de Amor, Relógio de Água, Lisboa, 2001).

16.2.09

Cinema no Cairo... e em Lisboa

Os realizadores Bruno Lázaro Pacheco (ES) e Sérgio Tréfaut (PT) marcaram a abertura ontem do I Festival de Cinema Ibérico no Cairo, que acolhe uma mostra de realizadores dos dois países, numa iniciativa das embaixadas de Espanha e de Portugal e que tem lugar na capital egípcia, até 19 de Fevereiro, nas instalações do Instituto Cervantes. O festival irá apresentar filmes de 10 realizadores portugueses e espanhóis, oito dos quais mulheres.
Hoje, na mostra de cinema feminino, serão projectados El crimen de una novia (2006), de María Dolores Guerrero, e Os Mutantes (1998), de Teresa Villaverde. A 17 de Fevereiro, Isabel Coixet terá em exibição La vida secreta de las palabras (2005), e Raquel Freire Rasganço (2001). A 18 de Fevereiro, El tren de la memoria (2005), de María Arribas e Ana Pérez, e A costa dos murmúrios (2004), de Margarida Cardoso. Para o final do festival estão reservados os filmes El tren gira (2004), de Mercedes Álvarez, e Terra Sonâmbula (Portugal-Moçambique, 2007), de Teresa Prata.

Hoje também, pelas 19h00 é projectado em Lisboa, no Instituto Franco-Português, En une poignée de mains amies (35') de Jean Rouch e Manoel de Oliveira (1997). «[Este filme] é como todos os sonhos de crianças: realizámo-lo em menos de uma semana, passeando nas margens do Douro (…) Manoel e eu gritando os versos de um poema inspirado pelo vento, o rio e a amizade», afirmou Jean Rouch. A seguir, Mosso Mosso, comme si (73') de Jean-André Fieschi (1998). A sessão será em presença (a confirmar) do realizador Manoel de Oliveira e do produtor Bernard Despomadères. A entrada é livre. E termina assim o ciclo de homenagem a Jean Rouch, cineasta e etnógrafo, que morreu nas estradas do Níger em Fevereiro de 2004, deixando uma obra cinematográfica imensa (mais de 120 filmes !) - documentário etnográfico, sociológico, "cinema directo", e ficção.

13.2.09

Leitura amorosa













Para um dia feliz de namorados/as , recomendam-se leituras e outras coisas que tais...

«Meu amor»

Meu amor meu amor
meu profundo segredo

meu secreto recanto
meu labor
mais sedento

Meu amor meu amor
minha sede mais
pura

meu corpo
meu invento

meu futuro lamento
minha grande ternura

in Maria Teresa Horta, Minha Senhora de Mim (Gótica, Lisboa, 2001)

12.2.09

Stuart



«City Sickness», Tindersticks. Nesta cidade, está sempre a rodar esta música... e a voz incomparável de Stuart Staples. Em Lisboa, o encontro com os Tindersticks é sexta-feira, no Coliseu. Dia 14 estão na Casa da Música, no Porto, e passados dois dias em Espanha, no Teatro Cervantes, em Málaga. Depois, é a vez da Turquia, Grécia, EUA, e Canadá.

Um conto para acreditar

No âmbito do Dia Internacional da Criança com Cancro, que se assinala no próximo dia 15 de Fevereiro, a Roche e a Associação Acreditar divulgam «o mais belo conto de amor», da autoria de Fernanda Freitas. A apresentação é daqui a pouco, pelas 17h00, no Teatro Aberto, em Lisboa (Rua Armando Cortez – Praça de Espanha).

No coração da moda... e do cinema


Tem início amanhã, 13, a semana da moda de Nova Iorque, que decorrerá até dia 20. Quanto a nós, será daqui a um mês que começa a ModaLisboa Estoril «Heart-core» Outono/Inverno 2009/ 2010, agendada de 12 a 15 de Março, na Cidadela de Cascais, para a apresentação das colecções dos criadores portugueses, numa iniciativa conjunta da Câmara Municipal de Cascais, da Junta do Turismo do Estoril e da Associação ModaLisboa.
Mas sobre Nova Iorque, há uma notícia que a cidade das mulheres destaca do jornal New York Times: é sobre uma cooperativa de distribuição de filmes avant-garde, a Film-Makers’ Cooperative, que durante 50 anos tem sido guardiã dos principais filmes do cinema experimental americano, e agora se encontra no meio de uma disputa imobiliária enfrentando sérias dificuldades financeiras nestes tempos conturbados. A verdade do cinema experimental é que este precisa de ajuda.

11.2.09

Progresso das mulheres

Realiza-se hoje em Lisboa o lançamento da versão Portuguesa do Relatório da UNIFEM, Progresso das Mulheres no Mundo 2008/2009.
«Quem responde às Mulheres? Género e Responsabilização» marca esta sessão (com início às 14h30, no Auditório da Presidência do Conselho de Ministros Rua Prof. Gomes Teixeira, 2 ) que contará com a presença do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Jorge Lacão, e da Directora Executiva do Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher, Inês Alberdi.

10.2.09

Liberdade da alma

A tradução francesa do livro de Maria Gabriela Llansol, O Jogo da Liberdade da Alma, numa tradução Cristina Isabel de Melode foi lançada esta terça-feira em Paris, no Centro Cultural Calouste Gulbenkian.
Maria Gabriela Llansol (f. 2008) ganhou duas vezes o Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores (APE), com Um beijo dado mais tarde (1990), e com Amigo e amiga (2006).
A publicação da obra pertence às Edições Pagine d'Arte e conseguiu o apoio do Instituto Camões, da Direcção-Geral do Livro e da Leitura e da Fundação Calouste Gulbenkian.
Há duas outras obras de Maria Gabriela Llansol traduzidas para a Língua Francesa, ambas por Alice Raillard: Falcão no Punho/Un faucon au poing, na Gallimard
(1993), e Amar um Cão/ Aimer un chien, na Nouvelle Revue-Française (1996).

Mulheres no espaço público



Na sexta-feira, dia 13 de Fevereiro, o projecto Bibliotecas pela Igualdade de Género realiza uma actividade na Biblioteca Municpal de São Lázaro (na Rua do Saco, nº1), em Lisboa. «HIV/Sida - Porque o Amor ainda existe» intitula o debate desta sexta-feira. A União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) e a Divisão de Bibliotecas da CML realizam esta parceria para tornar as bibliotecas locais «atentos às questões de género», promovendo os valores da cidadania e da igualdade, assim como uma maior afirmação social e política das mulheres na sociedade. O projecto «BIG» desdobra-se por todo o ano de 2009.

7.2.09

Carmen Miranda

Carmen Miranda nasceu há 100 anos, em Marco de Canaveses, a 9 de Fevereiro de 1909, com o nome de Maria do Carmo Miranda da Cunha. Foi para o Rio de Janeiro em criança, para onde os pais tinham emigrado, como tantos outros portuguesas no início do século XX.
Este mês a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, em Lisboa, dedica-lhe um ciclo com a exibição de oito filmes que a actriz e cantora fez em Hollywood entre 1942 e 1953. O ciclo "Carnaval com Carmen Miranda" decorrerá a partir de dia 17, até 21 de Fevereiro.
A programação inicia-se com um curto documentário (18’) sobre a actriz e cantora, de Maria Guadalupe e Jorge Ilelli, de 1969, e continua com "The gang’s all here/ Sinfonia de Estrelas" (1943), de Busby Berkeley, um dos mais conhecidos de Carmen Miranda, no qual interpreta o "The lady in the tutti-frutti hat".
No dia 18 passa "Copacabana" (1947), filme a preto e branco de Alfred Green, onde Carmen Miranda contracena com Groucho Marx, numa história passada num bar de Nova Iorque. É neste filme que ela canta "Tico-tico no fubá".
No dia 21, sábado de Carnaval, haverá cinco filmes de rajada: "Springtime in the rockies/ Férias nas montanhas" (1942), de Irving Cummings, "Scared Stiff/ O castelo das surpresas» (1953), de George Marshall, o último filme de Carmen Miranda, “If I’m lucky/ A canção da felicidade" (1946), de Lewis Seiler, "That night in Rio/ Uma noite no rio" (1945), de Irving Cummings, e "Greenwich Village/ Serenata Boémia" (1944), de Walter Lang, musical em que Carmen Miranda interpreta a Princesa Querida e canta, entre outros, "O que é que a baiana tem" e “Give me a band and a banana”.
Com 20 anos Carmen Miranda era já uma vedeta no Brasil, tanto na música como no cinema, chamando a atenção de Hollywood, onde nos anos de 1940 foi uma das actrizes mais bem pagas do cinema norte-americano. A actriz morreu nos Estados Unidos a 05 de Agosto de 1955, com 46 anos, de ataque cardíaco, depois de ter participado num programa televisivo.

6.2.09

Dia internacional da tolerância zero à MGF

Hoje, Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, foi apresentado no Palácio Foz, em Lisboa, pelas 14h30 o Programa de Acção para a Eliminação desta prática que é uma violação dos direitos humanos. Estavam presentes vários oradores/as na sala, para além de associações e parceiros que trabalharam em conjunto na elaboração deste programa, inserido no âmbito do III Plano Nacional para a Cidadania e Igualdade de Género. Mentor deste programa, Jorge Lacão agradeceu a todos/as que estiveram de alguma forma envolvidos/as nos trabalhos de desenvolvimento do program que é, como ele sublinhou, «um ponto de partida». Para além do Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, entre outras presenças, para falar da Declaração Conjunta das Nações Unidas para a Eliminação da MGF(foto acima, versão em Língua Portuguesa do Acordo Inter-agências das Nações Unidas «Eliminação da Mutilação Genital Feminina», editada com o apoio do IPAD) contámos com Jane Cottingham, presidente da Organização Mundial de Saúde, com uma representante do Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados ACNUR (que começou por nos endereçar cumprimentos da parte de António Guterres), e ainda com o testemunho de uma mulher excisada, que nos falou dos problemas de saúde que já enfrentou, nomeadamente quando quis ter filhos. A sessão terminou com uma intervenção de Elza Pais, presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), que fez vários agradecimentos, entre os quais à Associação para o Planeamento da Família (APF) e a Alice Frade.
Conseguir-se-á eliminar a MGF no espaço de uma geração?, foi a pergunta deixada por Jane Cottingham. Espera-se que, com a ajuda de toda a sociedade (comunidades atingidas e não só), mulheres e homens, a resposta venha a ser positiva. Os números divulgados pela OMS são brutais: existem entre 120 a 140 milhões de excisadas em todo o mundo; em África o número é de 92 milhões de raparigas e mulheres com 10 anos e mais; existem todos os dias cerca de três milhões de raparigas em risco.

3.2.09

tina II



James Bond: «Golden Eye», Tina Turner, com a participação da manequim Alek Wek, que se estreava assim no video, e num dos seus primeiros trabalhos como manequim. A top model sudanesa conta a sua história num livro editado no ano passado, pela Quidnovi, na sua colecção «Mulheres de Coragem»: Alek - De Refugiada Sudanesa a Top Model Internacional.
«Conheci a Tina, mas não convivi com ela. Esse vídeo foi uma lição sobre a complexidade da indústria. Tive de posar com um biquini com padrão de pele de leopardo e botas de salto alto, uma maquilhagem tribal maluca, numa sala escura enquanto me projectavam luzes no corpo. (...) no vídeo final sou uma criatura exótica, escura e esquiva, que aparece apenas durante dez segundos, se tanto.» (in pág.134).

Lopes

A apresentadora Fátima Lopes lança hoje o seu terceiro livro - se não me falhar a memória - com o título «A viagem de Luz e Quim». Com a chancela da Esfera dos Livros, a obra será apresentada por Maria de Belém Roseira, pelas seis e meia da tarde no Salão Nobre do Teatro Tivoli, em Lisboa. Parabéns Fátima!

2.2.09

a condição é feminina?

Le Monde Diplomatique organiza, às quintas à noite, debates no GILCO, em Lisboa: dia 5 de Fevereiro, 21h30, «A condição feminina no Portugal recente», com Helena Neves. As Conferências das Quintas realizam-se quizenalmente no Colégio na Escola do Grémio de Instrução Liberal de Campo de Ourique, no Largo Dr.António Viana.

Por todas nós

foto-cortesia de Mlle. Vi.  Paris, Museu Militar, junto à igreja onde está enterrado napoleão.