30.1.11

ciência e arte

Realiza-se terça-feira, dia 2 de Fevereiro, às 18h00, em Lisboa, a conferência «Functional Images of the Brain: Beauty, Bounty, and Beyond», por Judy Illes, no Auditório 2 da Fundação Calouste Gulbenkian, Auditório 2, integrada no Ciclo de Conferências Image in Science and Art.

cinema no cervantes (II)



Continua o «Espaço Feminino: realizadoras contemporâneas» no Auditório I do Instituto Cervantes de Lisboa. Na próxima terça-feira, dia 1, pelas 18h30, o instituto apresenta «Tu vida en 65 minutos» (2006, 65'), de Maria Ripoll, com Javier Pereira, Tamara Arias, Oriol Vila, Marc Rodríguez, Nuria Gago.

28.1.11

parabéns gigi!


Mulheres de Janeiro

Germaine Greer nasceu a 29 de Janeiro de 1939, em Melbourne, na Austrália. Mudou-se para a Europa em 1964 e fez o seu doutoramento em Cambridge, no ano de 1968. Dois anos mais tarde lançaria a obra que é ainda hoje estudada por investigadores/as e feministas: A Mulher Eunuco. O movimento feminista ganhava assim uma nova oradora. O livro examina a representação misógina das mulheres na sociedade, na(s) arte(s) e na literatura, e lança de forma duradoura a crítica ao sistema patriarcal. Seguiram-se, mais tarde, outras obras como The Whole Woman (1999) em que a autora analisa o progresso da posição das mulheres nas sociedades ocidentais desde a década de 70. Em 2003, publicou The Boy, a obra que analisa o ideal icónico do belo rapaz através da história de arte. Também jornalista, académica, e crítica literária, tem outros títulos a descobrir: The Madwoman's Underclothes (uma colecção de ensaios), e Slip-Shod Sibyls: Recognition, Rejection and the Woman Poet.

Mais mulheres de Janeiro

Isabel Cristina Basto, médica, Isabel Pinto, fotógrafa, Anabela Baldaque, criadora de moda, Teresa Salgueiro, cantora, Catarina Paiva, activista, Cindy Sherman, artista, Kiki Smith, artista. Simone de Beauvoir, Susan Sontag, Agatha Christie, Adelaide Cabete,...

27.1.11

Cuidar pela igualdade de género

Realiza-se hoje em Lisboa o Seminário/Workshop “Trabalho, Família e Igualdade de Género: Resultados de Pesquisa e a Perspectiva dos Responsáveis Políticos e Organismos de Estado”, entre as 15h e as 18h, no Auditório Silva Leal, edifício da Ala Autónoma, no ISCTE-IUL - Instituto Universitário de Lisboa, na Av. das Forças Armadas.

Sítios do projecto:
http://trabalharecuidar.cies.iscte.pt/
http://workcaresynergies.eu/work-care-and-gender-equality-in-private-and-public-contexts/
http://pt-pt.facebook.com/people/WorkCare-Synergies/100001504340411

25.1.11

Dorothy

O Departamento de Química e as Edições Colibri lançam hoje o livro - integrada no “QUI365– 365 dias de Química” - Dorothy Crowfoot Hodgkin da autoria de Raquel Gonçalves‑Maia.
A obra é apresentada por Sebastião Formosinho no Anfiteatro IV do Departamento de Química, da Faculdade de Ciências da Universidade de Coimbra.

Virginia

Hoje faz anos que nasceu Virginia Woolf: 25 de Fevereiro de 1882, em Londres (f. Lewes, 28.03.1941).
Na entrada do seu diário a 20 de Janeiro de 1931, que nos revela o seu 'retrato' e o seu 'mundo', Virginia escreveu:
Concebi, neste preciso momento, enquanto tomava banho, todo um livro - a sequência de "Um quarto que seja seu" - sobre a vida sexual das mulheres que irá chamar-se Profissões Femininas. Santo Deus, que emocionante! Isto brotou do texto da conferência que vou dar na quarta-feira à sociedade da Pippa.
Philippa Strachey (1872-1968), que era a secretária da National Society for Women's Service, havia convidada Virginia Woolf para falar à secção de Londres no dia 21 de Janeiro daquele ano. Esse discurso foi publicado postumamente, em 1942, com o título «The death of the moth», se bem que o título original de Virginia fosse «Killing the angel of the house»:
A minha profissão é a literatura, e nessa profissão há menos experiências de mulheres do que em qualquer outra, com excepção da arte dramática - menos, quero dizer, que são demasiados especiais para as mulheres. Porque a estrada foi aberta muitos anos atrás - por Fanny Burney, Aphra Behn, Harriet Martineau, Jane Austen, George Eliot - muitas mulheres famosas, e muitas mais desconhecidas e esquecidas, que vieram antes de mim, tornando o caminho suave e orientando os meus passos. (...) por dez shillings e seis pences qualquer um pode comprar papel suficiente para escrever todas as peças de Shakespeare - se estiver com tal disposição.
Virginia Woolf, «O estatuto intelectual das mulheres seguido de Profissões para Mulheres», Padrões Culturais Editora, Lisboa, 2008
«Virginia Woolf Diário» Primeiro Volume 1915-1926, Bertrand Editora, Lisboa, 1987
«Virginia Woolf Diário» Segundo Volume 1927-1941, Bertrand Editora, Lisboa, 1987
Virginia Woolf, «As ondas», Relógio d'Água, Lisboa, 1988
«Selected Works of Virginia Woolf», Wordsworth Editons, London, 2005.

24.1.11

Pin-Tallinn

No âmbito da exposição de esculturas de vidro de artistas estonianos intitulada Tallinn, Cores, Texturas, Emoções, o Instituto Camões convidou a PIN a sugerir dois nomes representativos da Joalharia Portuguesa Contemporânea: Tereza Seabra e Filomeno Pereira de Sousa.
A exposição inaugura amanhã, terça feira dia 25 de Janeiro às 18:30, e estará patente até 8 Fevereiro de 2011.

cinema no cervantes


a pós-mística feminina

http://www.nytimes.com/2011/01/23/books/review/Traister-t.html

20.1.11

Feminista & republicana














No dia do nascimento de Adelaide Cabete será lançado em Lisboa, na Biblioteca-Museu República e Resistência o título Adelaide Cabete, na colecção «fio de ariana» editada pela CIG. Depois de Maria Veleda (2004) por Natividade Monteiro, Carolina Beatriz Ângelo (2005), por Regina Tavares da Silva, A concessão do voto às portuguesas (2006) por Maria Reynolds de Souza, Deusas e Guerreiras dos Jogos Olímpicos (2006) de Isabel Cruz, Paula Silva e Paula Botelho Gomes, e de Mulheres e Republicanismo (2008) por João Esteves, surge agora mais este livro essencial nas bibliotecas de estudos sobre as mulheres.

19.1.11

Parabéns Cindy!

A agenda feminista 2011 é dedicada às mulheres e às artes (ed.UMAR, 2010). A agenda abre com a Frida Kahlo. Podemos aqui ler um texto sobre a artista assinado por Carla Cerqueira, e mais à frente, já na presente semana, a agenda informa que hoje faz anos Cindy Sherman (n.Nova Iorque): «hoje uma das mais respeitadas fotógrafas, já que revolucionou o conceito de retrato. Uma das suas séries mais famosas consiste na Sex pictures (1992).»

18.1.11

eugénio, sempre

amanhã, comemora-se no Porto o nascimento de Eugénio de Andrade (n.Fundão, 19.01.1923). comemora-se também aqui na cidade das mulheres e já esta noite com um poema dos muitos que sempre por aqui se leu.
na fundação eugénio de andrade o acontecimento consistirá na leitura dos seus textos feita por novos poetas, que participarão num debate informal sobre nova poesia portuguesa no âmbito da comemoração do aniversário do poeta.
IMAGEM
A lembrança do dia
é leve de se ter:
garganta de um jardim,
só aroma ao descer.
Obra de Eugénio de Andrade/ 1

14.1.11

Escolha de fim de semana

mercado solidário


Um grupo de amigos organiza todas as quintas feiras no Rato (das 11h30 as 14h30) uma venda de roupa a muito baixo preço. A venda é de roupa de adulto e criança, em bom estado e a preços desde 0,50€.

tempo de performance


Os encontros podem ser consultados aqui.

10.1.11

'Madame Rosa'

"Quando o Cinema namora a Literatura" é o ciclo de cinema que decorre a partir de hoje no IFP-Instituto Francês de Portugal (Av. Luís Bívar, 91), às segundas e terças-feiras de 10 a 24 de Janeiro. As projecções são sempre às 19h00 e a entrada é livre. Este ciclo junta cinema e literatura em cinco filmes que são outras tantas adaptações cinematográficas de obras literárias. O ciclo começa com um filme que em 1991 arrebatou 10 Césars, Cyrano de Bergerac de Jean-Paul Rappeneau, ao qual se segue logo no dia seguinte, Les Dames du Bois de Boulogne de Robert Bresson. Seguir-se-ão na semana seguinte, dias 17 e 18, La Belle et la Bête de Jean Cocteau e Vipère au poing de Philippe de Broca, terminando dia 24 de Janeiro com La vie devant soi de Moshé Mizrahi. A projecção deste último filme do ciclo que ganhou o Óscar para Melhor Filme estrangeiro em 1978 e o César para Melhor Actriz (Simone Signoret) será precedida, às 18h30, pelo lançamento da obra homónima de Emile Ajar (Romain Gary) em língua portuguesa, numa edição da Sextante editora. O livro obteve o Prémio Goncourt em 1975.
La Vie devant soi de Moshé Mizrahi (Oscar para o Melhor Filme em língua estrangeira em 1978, César para Melhor Actriz (Simone Signoret) em 1978) é uma adaptação de um romance de Emile Ajar (Romain Gary) que obteve o Premio Goncourt em 1975. O filme conta a historia de Madame Rosa, uma ex-prostituta judia, habitante de Belleville que cria filhos de outras prostitutas num bairro onde convivem árabes, negros e judeus. Uma ligação particular une-a à Momo, um jovem árabe. Quando Madame Rosa adoece, Momo vai ajudá-la a permanecer na sua casa.

7.1.11

É bom e recomenda-se.


Filmes dirigidos por mulheres

No Instituto Cervantes há «Espaço Feminino: realizadoras contemporâneas». Esta série de filmes dirigida por mulheres reflecte sobre a história recente de Espanha, a sociedade actual e os problemas com os quais nos enfrentamos neste mundo globalizado de hoje.

La vida perra de Juanita Narboni

Juanita, filha de pai Inglês, de Gibraltar, e de mãe Andaluza, conta-nos com muito humor as suas tristezas e os seus desejos. Como cenário, a guerra civil espanhola e a segunda Guerra Mundial que são testemunhas desse Tánger internacional onde convivem culturas e religiões.

Realizadora: Farida Benlyazid
Género: Drama
Actores: Mariola Fuentes, Salima Ben Moumen, Lou Doillon
Ano: 2005
Dur.: 101 min.

Terça, 11 de Janeiro às 18h30
I Auditório do Instituto Cervantes de Lisboa (Entrada livre)
Rua de Sta.Marta, 43 - LISBOA

hoje


4.1.11

pessoa-jóia


Eis uma excelente oportunidade para todos o que procuram saber mais sobre os percursos de autores/as da Joalharia contemporânea e do Design: artistas convidados pelo Ar.Co (Centro de Arte e Comunicação Visual) irão estar quinzenalmente, entre 7 Janeiro a 15 Abril, às sextas feiras das 11h à 13h, na Rua de Santiago, 18, em Lisboa. O bloco intitulado «Exemplos de Joalharia e Design Contemporâneos» integra a disciplina «Blocos Temáticos para Joalharia», do Curso de Joalharia do Ar.Co, onde se abordam diferentes temas na área das artes e do design, nomeadamente no toca à joalharia contemporânea. A programação de «Exemplos de Joalharia Contemporânea» inclui diferentes convidados/as que, ao longo das várias sessões, apresentarão o seu trabalho.

3.1.11

Campanha para a Igualdade de Género



Eis os mais recentes videos que foram produzidos na Associação para o Planeamento da Família (
APF), pelo Departamento de Advocacy e Cooperação para o Desenvolvimento no âmbito do Projecto Roteiro 3456 e em parceria com a Associação da Nações Unidas Portugal e Cons. Nacional da Juventude, com o apoio do IPAD e UNFPA.

Estes pequenos videos ( com cerca de 1 minuto cada) estão alojados no Youtube e podem ser descarregados para visionamento e debate em sala de aula ou conferência.

2.1.11

Arte(s) e feminismo(s)

Saiu uma biografia sobre Alice Neel, a pintora que fazia retratos numa altura em que o expressionismo abstracto reinava. O New York Times desenvolve artigo sobre a artista que foi reconhecida bastante tardiamente. A seguir a ligação para «A não conformista», por Deborah Solomon. Bom ano!