28.11.13

festa do traço



            desenha-me em Granada!

hoje !


                                                       

1999-2013


Apresentação da edição de aniversário da revista Faces de Eva, 
 Dia 28 de Novembro (quinta-feira) às 18h30m
Auditório B da Reitoria
da Universidade Nova de Lisboa
Campus de Campolide
Lisboa

    

rita



como ela só há
uma. fotógrafa de espectáculo/música que é um espectáculo.
os cabelos compõem-lhe uma imagem única, desenhada na contra-luz pela sua silhueta
no momento de fotografar (isto também dava um livro: fotógrafos/as a fotografar)

era uma vez...
uma rapariga que estava no iade a tirar o curso de design de moda
a escola tinha as suas fotos expostas no stand de uma feira de moda
nas imagens, a preto e branco, em bandas-tiras de negativos,
fixou a roupa desenhada pelos/as colegas de curso..
foi assim que a conheci. seguiu-se encontro formal no jardim da estrela,
com ela vestida de negro (e eu aposto que também, mas já não me lembro....).
estava frio como hoje.
a partir daí o percurso de rita  é conhecido.
estávamos às portas da Primavera de 1992, e ela entrou para a publicação que havia nascido no ano do livro do Orwell: 1984.
o blitz, cujo historial de bons fotógrafos/as nos seus anais dava outro livro, mudou de género entretanto,

mas dou aqui um salto na história
para apanhar a rita no lado errado da câmara (para ela), ou seja,
o foco vai estar do seu lado, logo à noite, a propósito de mais este livro de fotografia:
«bandas sonoras».
adoro o S ao contrário!

abraço(-te).
cristina





fotografia de Rita Carmo no V acontecimento de moda do iade, 
Fevereiro de 1992, desfile de finalistas do curso de design de moda.

26.11.13

Outras paragens, ou à procura do calor




Chichen itza, pelo nosso enviado especial, ARL, em Cancún, México, Outubro de 2013.

24.11.13

25 de Novembro de 1999




Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres.

23.11.13

uma performance digital nas aldeias do xisto

Xistórias é apresentado  hoje 23 de Novembro de 2013

Eunice Gonçalves Duarte, Mário Montez, Miguel Gomes e paula roush dão corpo a Xistórias através de uma performance realizada com os/as  habitantes das aldeias do xisto do concelho de Góis (Aigra Nova, Aigra Velha, Comareira e Pena), com base nas estórias orais antigas e contemporâneas, nas atividades familiares e profissionais do dia-a-dia e nas expectativas sobre o futuro desta região, cruzando materiais da terra e do campo com meios tecnológicos digitais. Parte desta performance será transmitida em tempo real através da Internet para Lisboa, espaço Salamandra Dourada.

Onde se passa? Nas aldeias do xisto de Góis, com transporte gratuito a partir de um dos pontos de encontro: Coimbra (terminal da Rede Expresso ou Beira Rio) às 13h30; Góis (Casa da Cultura de Góis) às 14h00.


Xistórias acontece também hoje em Lisboa, na Associação Salamandra Dourada onde se realizará a sessão de transmissão pela Internet, das 15h às 19h. O projecto é promovido pela Salamandra Dourada – associação cultural, financiado pela ADXTUR realizado em parceria Lousitânea – Liga dos Amigos da Serra da Lousã, Câmara Municipal de Góis e Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Coimbra.

Salamandra Dourada, Casa da árvore. Azinhaga da Cidade, Ameixoeira. Junto à saída do metro Ameixoeira.


18.11.13

duas palavras-chave: universidade e feminista

Após o êxito do seminário de abertura a 11 e 12 de Outubro, tem início dia 20 de Novembro o primeiro ciclo temático do projecto universidade feminista - «um espaço plural de reflexão crítica e de intercâmbio de conhecimentos, onde se conjugam vários campos do saber académico e de experiências adquiridas ao longo da vida, num contexto de problematização das grandes questões da actualidade, segundo uma perspectiva de género» -, no Centro de Cultura e Intervenção Feminista da UMAR, em Alcântara. A temática de partida é a das migrações e cidadanias, com organização de Joana Miranda e Rosana Albuquerque, investigadoras do CEMRI (Uab) 

«A ideia de criação desta universidade que se quer formal e informal e um espaço livre de pensamento, partiu de um grupo de antigas alunas do primeiro mestrado em Estudos sobre as mulheres da Universidade aberta.»

A inscrição no ciclo temático de quatro sessões é de 15 euros, e 20 euros no caso de cinco sessões. A inscrição por seminário, ou sessão é de cinco euros. O horário de funcionamento será de um dia por semana, entre as 18h30-20h30. Estão previstos ciclos até 2015.






12.11.13

O íntimo, o privado e o público: pontes e ambiguidades


Conferência interdisciplinar, do Centro de Investigação e Estudos de Sociologia (CIES), ISCTE, IUL, dias 14 e 15 de Novembro, no edíficio II, auditório B204. Av.das Forças Armadas, Lisboa.

arte(s) e ciência