30.12.15

U-anel


Sinto, logo valorizo

Mujerícolas: Saber Decir No: Dominique Matti   sabe lo que es confundir la amabilidad con ser un felpudo, dejarse llevar por la corriente o por lo que quieran l...

25.12.15

Black is beautiful



Banda sonora: Black Mountain, Isobel Campbell & Mark Lanegan


Time of the Season

23.12.15

20.12.15

T-shirt



Ana de Castro Osório e Carolina Beatriz Ângelo no dia 28 de Maio de 1911, na rua Pascoal de Melo, em Lisboa, o primeiro dia em que uma mulher votou em Portugal. Depois disso, tudo voltou ao mesmo, ao costume. As sufragistas portuguesas mereciam também que a sua história fosse contada em linguagem cinematográfica. Investigadoras/es de História e de Estudos sobre as Mulheres já fizeram muito trabalho sobre o tema. 

menina estás à janela...


18.12.15

o meu querubim




















Pormenor do retábulo da Anunciação.
Palácio Nacional de Mafra
Basílica.

17.12.15

Natália


A EXALTAÇÃO DA PELE

Hoje quero com a violência da dádiva interdita.
Sem lírios e sem lagos
e sem o gesto vago
desprendido da mão que um sonho agita.
Existe a seiva. Existe o instinto. E existo eu
suspensa de mundos cintilantes pelas veias
metade fêmea metade mar como as sereias.

Natália Correia, in O Sol nas Noites e o Luar nos Dias




15.12.15

Parabéns Alex!



Ana Cruz (à esquerda) e Alexandra Alves Luís. Juntas e ao vivo, após a sessão de «Las Sufragistas» no cinema São Jorge, durante a mostra de cinema da américa latina (dia 12, 19h30). Dentro da sala, a realizadora falou com o seu público e cá fora a conversa continuou. 



13.12.15

Abraço(-te)

i c e b e r g




                              «Primeiros icebergs», c.1950, Eduardo Lopes.



“I have been able to see my life as from a great altitude, as a sort of landscape, and with a deepening sense of the connection of all its parts,” Oliver Sacks 


Banda sonora: Svanur.



11.12.15

A poesia e a amizade, juntas e ao vivo





                 
                                            Capa de agenda em tecido de lã, por JMF

10.12.15

In memoriam Fatima Mernissi

«Nasci em 1940 num harém em Fez, uma cidade marroquina do século IX, cinco mil quilómetros a ocidente de Meca e mil quilómetros a sul de Madrid, uma das perigosas capitais dos cristãos. O meu pai costumava dizer que os problemas com os cristãos começavam quando as fronteiras sagradas, ou hudud, não eram respeitadas. Nasci em pleno caos, uma vez que nem os cristãos nem as mulheres aceitavam as fronteiras.»

Fatima Mernissi, Sonhos Proibidos, Memórias de um Harém em Fez (Porto: Asa, 1999), p.7





9.12.15

Julia

Florbela

«Amigo longínquo e querido, a triste charneca desdenhada envia-lhe, em nome doutra desdenhada ainda mais triste, um braçado de saudades acabadinhas de colher.» in Carta da Herdade, Alentejo, Junho de 1930. Florbela Espanca (8.12.1894 - 8.12. 1930).



8.12.15

A solidão como soberania

Mujerícolas: Hola, ¿estás sola?: Nos han enseñado a tener miedo a la libertad; miedo a tomar decisiones, miedo a la soledad. El miedo a la soledad es un gran impedi...

7.12.15

A caminho do Inverno



                                                           

                                                        foto: mr brown

6.12.15

Virginia




























fonte : arquivo idm (editora das mulheres).





4.12.15

recorte do dia

Biologia e género.






José (1928-1986)
Quando os adolescentes vestiam como homens.

2.12.15

Faces de Eva 34 numa Colibri perto de ti!


                                                             


 Assia Djebar
















O filme Les Femmes D'Alger pode ser visto aqui.