Carmen Miranda

Carmen Miranda nasceu há 100 anos, em Marco de Canaveses, a 9 de Fevereiro de 1909, com o nome de Maria do Carmo Miranda da Cunha. Foi para o Rio de Janeiro em criança, para onde os pais tinham emigrado, como tantos outros portuguesas no início do século XX.
Este mês a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, em Lisboa, dedica-lhe um ciclo com a exibição de oito filmes que a actriz e cantora fez em Hollywood entre 1942 e 1953. O ciclo "Carnaval com Carmen Miranda" decorrerá a partir de dia 17, até 21 de Fevereiro.
A programação inicia-se com um curto documentário (18’) sobre a actriz e cantora, de Maria Guadalupe e Jorge Ilelli, de 1969, e continua com "The gang’s all here/ Sinfonia de Estrelas" (1943), de Busby Berkeley, um dos mais conhecidos de Carmen Miranda, no qual interpreta o "The lady in the tutti-frutti hat".
No dia 18 passa "Copacabana" (1947), filme a preto e branco de Alfred Green, onde Carmen Miranda contracena com Groucho Marx, numa história passada num bar de Nova Iorque. É neste filme que ela canta "Tico-tico no fubá".
No dia 21, sábado de Carnaval, haverá cinco filmes de rajada: "Springtime in the rockies/ Férias nas montanhas" (1942), de Irving Cummings, "Scared Stiff/ O castelo das surpresas» (1953), de George Marshall, o último filme de Carmen Miranda, “If I’m lucky/ A canção da felicidade" (1946), de Lewis Seiler, "That night in Rio/ Uma noite no rio" (1945), de Irving Cummings, e "Greenwich Village/ Serenata Boémia" (1944), de Walter Lang, musical em que Carmen Miranda interpreta a Princesa Querida e canta, entre outros, "O que é que a baiana tem" e “Give me a band and a banana”.
Com 20 anos Carmen Miranda era já uma vedeta no Brasil, tanto na música como no cinema, chamando a atenção de Hollywood, onde nos anos de 1940 foi uma das actrizes mais bem pagas do cinema norte-americano. A actriz morreu nos Estados Unidos a 05 de Agosto de 1955, com 46 anos, de ataque cardíaco, depois de ter participado num programa televisivo.

Comentários

Filomena Barata disse…
apenas te deixei dois livros, já teus conhecidos, no meu Luar